Foto: Camila Souza/ GOVBA

Um homem que se apresentava como policial civil foi preso em flagrante durante a operação “Carro Seguro”, deflagrada pela Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos (DRFRV) nesta terça-feira (13). A ação tem por objetivo de coibir fraudes contra seguradoras de veículos.

Diego de Almeida Menezes, de 29 anos, foi preso no bairro de Fazenda Grande do Retiro com um Ford Fiesta, placa policial JRV-5365, com restrição de roubo.

Segundo o titular da DRFRV, delegado José Nélis de Araújo, o uso da tecnologia de Reconhecimento de Placas disponibilizada pela Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA) auxiliou na elucidação do crime.

“A partir de análises dentro deste novo sistema foi possível encontrar inconsistência no falso boletim de ocorrência, como, o histórico de locais onde veículo transitou e outras informações que o sistema contribuiu para as investigações”, disse.

A proprietária do veículo também está sendo investigada por envolvimento no crime. “Ela é suspeita por ter realizado a falsa comunicação do suposto crime na DRFRV, no dia 24 de junho deste ano, visando receber o valor do seguro. Diego escondeu o carro, o qual ele recebeu como pagamento pela sua atuação na ação criminosa”, afirmou.

O homem confessou e foi autuado pelos crimes de receptação de veículo roubado e usurpação de função pública. Ele segue preso à disposição da Justiça. A proprietária é investigada por estelionato e falsa comunicação de crime.


Foto: Edmar Barros/ Futura Press | Estadão Conteúdo
Foto: Edmar Barros/ Futura Press | Estadão Conteúdo

Segundo o secretário nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo, a desmobilização será “progressiva” e poderá ser automaticamente revertida caso necessário.

Os 420 agentes da Força Nacional de Segurança Pública que estão atuando no Ceará desde o início da série de ataques criminosos começarão a deixar o estado esta semana. Segundo o secretário nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo, a desmobilização será “progressiva” e poderá ser automaticamente suspensa e revertida caso necessário.

A chamada Operação Terra da Luz, da Força Nacional, completou um mês ontem (4). Segundo Theophilo, mesmo “sem grandes números de apreensão” para apresentar, a iniciativa foi bem-sucedida, tendo ajudado a reduzir o número de ocorrências.

De acordo com o secretário, os ataques a ônibus, veículos particulares, estações de abastecimento de energia elétrica e outras instalações dos últimos dias não estão necessariamente associados à ação de organizações criminosas.

“O que temos ainda hoje, uma ou outra queima de veículo, de ônibus, já não são mais ataques ‘terroristas’ [de faccões criminosas], mas sim de oportunistas que estão se aproveitando do clima de terror para manter um pouco desse clima”, afirmou o secretário. “[A desmobilização será] progressiva para evitar que sejamos surpreendidos com a possível recuperação dos ataques criminosos”, acrescentou.

Ao mesmo tempo em que começará a retirar do estado os agentes da Força Nacional que, integrados às forças de segurança locais, reforçam o patrulhamento das principais vias de circulação e das garagens de ônibus, o Ministério da Justiça planeja auxiliar o estado com o envio de agentes penitenciários que se somarão aos já cedidos pela Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária, subordinada ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça.

“Eles vão ajudar na transferência de presos que estão em cadeias públicas para as penitenciárias de maior segurança”, acrescentou Theophilo. O envio de agentes da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária para o Ceará foi autorizado pelo ministro Sergio Moro no fim de janeiro.

Formada por agentes cedidos pelos governos estaduais, a força-tarefa deve permanecer no estado por 45 dias, auxiliando no serviço de guarda, vigilância e custódia de presos, além de poder atuar em ações de inteligência de segurança pública que tenham relação com o sistema prisional. A autorização para o envio foi publicada no Diário Oficial da União do dia 28 de janeiro.

De acordo com Theophilo, a Força Nacional deixará um “legado” no Ceará. “Doamos armamentos, munição, coletes [à prova de balas]. Participamos de operações de inteligência, levando para o estado tudo o que há de mais moderno em material de comunicações e rastreamento de chamadas telefônicas”, disse. Ele classificou o resultado do trabalho no estado de “excelente” – inclusive no interior dos presídios. “[Lá os detentos estão] disciplinados, obedecendo as ordens, sem celulares e cumprindo o que tem que fazer”, completou.

“O governador [Camilo Santana] nos informou que as medidas tomadas – a convocação de militares da reserva, a suspensão temporária de férias e a autorização para horas-extra –, além do legado que estamos deixando no estado, permitirão ao estado manter a segurança com os próprios recursos”, disse o secretário, ao reforçar que, caso os ataques orquestrados voltem a ocorrer, os agentes da Força Nacional voltarão a ser mobilizados para atuar no Ceará, sem sequer a necessidade de o governo estadual ter de apresentar um novo pedido.


Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O interventor federal na segurança pública do Rio de Janeiro, general Braga Netto, defendeu hoje (21) as ações de intervenção no estado. Em seminário sobre o tema na Câmara dos Deputados, o general afirmou que o impacto das ações é positivo diante da população e principal legado é “intangível”.

Para o general, não há necessidade da intervenção continuar após o dia 31 de dezembro, data prevista para que as ações no estado sejam encerradas, entretanto, ela não deveria ser “cortada” porque, agora há um planejamento. “Existe a previsão dessa transição nossa ir até junho ou julho do ano que vem. Não como um todo, mas parte do gabinete”, disse.

De acordo com Braga Netto, “as instituições do estado saem fortalecidas do processo de intervenção”.
Panorama

Ao fazer um panorama da segurança pública no Estado do Rio de Janeiro, Braga Netto disse que o estado estava sucateado, com a falta de munições, frota de veículos sem condições de uso e ausência do poder público nas comunidades. “A polícia do Rio [Civil e Militar] estava meio que desamparada, precisando de um aporte, desacreditada pela população”, disse. Segundo o general, entre as maiores preocupações está o sistema prisional, que comporta 58 mil presos e tem estrutura para 28 mil pessoas encarceradas.

Segundo Braga Netto, a intervenção federal provocou a queda em 28% crimes nos roubos de carga e ao comércio em comparação com 2017. Nesse período, também foi registrada a queda de 22% nos casos de homicídios dolosos e 92% dos roubos a carteiros a pé.

Desde o início das ações, o comando responsável pela intervenção treinou 1.992 agentes em 40 unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Ao todo, 2.317 agentes foram treinados no estado, beneficiando diretamente o atendimento a 5,3 milhões de pessoas.

Segundo o general, o impacto positivo da intervenção também incluiu o turismo no Rio. No feriado de 15 de novembro, a ocupação da rede hoteleira, que no ano passado tinha sido de 48%, neste ano subiu para 85%.


PM de Itatim faz apreensão de animais silvestres – Foto: Policia Militar

No início da noite desta quarta-feira (7), por volta das 19:30 h, policiais militares de Itatim apreenderam na residência de Manuel de Jesus, 34 anos, situada na 3°Travessa São João, s/n°, bairro Salgada, vários animais silvestres em visíveis condições de maus tratos.

Segundo o tenente Benjamin, comandante do pelotão da PM, os policiais receberam denúncia e foram averiguar. Uma vez no local, a Guarnição encontrou os seguintes animais: 6 jabutis e 11 pássaros silvestres (4 Cardeais, 3 Coleiros, 1 Estrelinha, 1 Tico-tico e 2 Papa-capins)

Os animais foram apreendidos e serão encaminhados para a reserva ambiental da Fazenda Casa Nova, onde, após processo de triagem e recuperação, serão devolvidos à natureza. O autor responderá pela prática de crime ambiental.

Fonte: o A Voz é Aqui

Foto: Divulgação/JBS

No total são 63 mandados de busca e apreensão e 19 de prisão temporária, expedidos no Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

O vice-governador de Minas Gerais, Antonio Andrade (MDB), os executivos da JBS Joesley Batista, Ricardo Saud e Demilton de Castro foram presos nesta sexta-feira (9) em uma operação que investiga um suposto esquema de corrupção no Ministério da Agricultura durante o governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

De acordo com o portal G1, o deputado estadual João Magalhães (MG) e o deputado federal eleito Neri Geller (PP-MT), que foi ministro da Agricultura de março a abril de 2014, durante o mandato da presidente Dilma Rousseff (PT), também foram presos.

A PF faz buscas no gabinete do vice-governador, também ex-ministro da Agricultura de Dilma (março de 2013 a março de 2014).

No total são 63 mandados de busca e apreensão e 19 de prisão temporária, expedidos no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, cumpridos no Distrito Federal e em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Mato Grosso.

A operação é um desdobramento da Lava Jato, foi batizada de Capitu e é baseada na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB.


Foto: Divulgação/PFSegundo advogado, ela não compareceu por problemas de saúde; ex-ministro será ouvido na quarta-feira (31).

A mãe do ex-ministro Geddel Vieira Lima, Marluce Vieira Lima, não compareceu à audiência que ocorreu nesta terça-feira (30), em Salvador, no processo do Supremo Tribunal Federal (STF) em que é investigada pelos R$ 51 milhões, encontrados em um apartamento da capital baiana no ano passado.

Marluce foi representada pelo advogado Gamil Foppel, que representa a família Vieira Lima no caso. Em entrevista ao G1, o defensor disse que a cliente não compareceu à audiência por conta de problemas de saúde. Ele apresentou dois atestados e uma prescrição médica para justificar a ausência de Marluce.

Também foram convocados para prestar depoimento o empresário Luiz Fernando Machado da Costa Filho e o ex-assessor do deputado Lúcio Vieira Lima, Job Ribeiro Brandão. Eles compareceram à audiência, mas o conteúdo da oitiva não foi divulgado.

O depoimento de Geddel, em Brasília (DF), onde está preso, está marcado para esta quarta-feira (31).

Fonte: Redação

Um túnel com mais de três metros de extensão foi descoberto no Conjunto Penal de Feira de Santana, durante uma operação de verificação de rotas de fuga. Sete detentos do Pavilhão 2, que estavam envolvidos na escavação, foram encaminhados para o isolamento preventivo da unidade. O túnel foi descoberto na quarta-feira, 24, na cela 36, por agentes penitenciários e policiais da Companhia Independente de Guarda. A escavação era feita em direção à muralha ao fundo do pavilhão. Segundo informações do site Acorda Cidade, o caso está sendo apurado e é possível que os presos sejam transferidos para o Presídio de Segurança Máxima de Serrinha. A operação foi realizada com o objetivo de frustrar o planejamento de fuga dos presos. Somente neste semestre, o Conjunto Penal registrou duas fugas de presos.

Fonte: Atarde.uol

O presidente Michel Temer reuniu-se com ministros na noite deste domingo (18) no Palácio da Alvorada, em Brasília, para tratar do tema segurança pública. Na saída da reunião, o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, disse que o governo irá liberar um crédito extraordinário para a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro. Também serão liberados mais recursos para o Ministério Extrordinário da Segurança Pública. O ministro afirmou que ainda não foram definidos os valores, nem as fontes do Orçamento que serão usadas.

“Ficou encaminhado da seguinte maneira: nós teremos para o Rio de Janeiro um crédito extraordinário, cujos valores ainda estão sendo levantados pelo Ministério da Segurança Pública e pelo interventor.  Deveremos ter isso até o final desta semana enviado ao Congresso Nacional”, disse.

“Além disso, teremos recursos para o Ministério da Segurança Pública nas suas atividades e para implementar sua política junto aos estados e ao sistema de segurança pública. Será feito através de um projeto de lei de crédito especial que também será enviado até o final da semana. As fontes desse crédito extraordinário ainda não foram completamente definidas. Estaremos nos próximos dias elaborando as fontes dentro do Orçamento que serão remanejadas para atender a essa demanda da área de segurança”, informou.

Participaram do encontro os ministros Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann; da Justiça, Torquato Jardim; do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira; da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco; da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha; e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Sérgio Etchegoyen.

Fonte: Agencia Brasil