Dois meses após demissão de Teich, Bolsonaro volta a estudar nome para Ministério da Saúde

e Redação Facebook Twitter Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil Quase dois meses depois que o oncologista Nelson Teich pediu demissão do cargo de ministro da Saúde, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), voltou a estudar a escolha de um nome para substituí-lo. Pressionado para apoiar a recomendação de uso da cloroquina – mesmo sem eficácia cientificamente comprovada – no combate à Covid-19, Teich pediu demissão no dia 15 de maio, dois dias antes de completar um mês no comando da pasta. Em seu lugar ficou o general Eduardo Pazuello, que atualmente comanda interinamente o Ministério da Saúde, mas deve retornar a ser o número dois da pasta. Segundo informações da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, a ideia do governo é encontrar alguém ligado à área para o cargo de ministro. Facebook Twitter Mais notícias Covid-19 06h36 de 14 de julho de 2020 Acusado de descaso na proteção dos povos indígenas, Bolsonaro é denunciado à ONU Presidente vetou medidas de proteção às comunidades indígenas em meio à pandemia, como o fornecimento de água potável e garantia de leitos hospitalares Facebook Twitter Covid-19 21h20 de 13 de julho de 2020 Brasil tem mais 733 mortes por coronavírus; total de vítimas chega a 72.833 Dados do Ministério da saúde apontam mais 20.286 novos casos registrados, em 24 horas, totalizando 1.884.967 infectados Facebook Twitter Covid-19 21h00 de 13 de julho de 2020 Rui espera alcançar ocupação hospitalar abaixo de 75% até sábado (18) Governador destaca abertura de mais 50 leitos no interior e 70 na capital; 'Os números já começam, graças a Deus, a diminuir' Facebook Twitter Covid-19 19h40 de 13 de julho de 2020 Estado de São Paulo inicia volta de aulas práticas no ensino superior Municípios precisam estar há 14 dias na fase 3 - Amarela; conteúdo teórico permanece apenas no modo à distância Facebook Twitter Covid-19 19h20 de 13 de julho de 2020 Decreto prorroga IPVA no transporte escolar para setembro de 2021 Ao revelar medida em live, governador Rui Costa destacou que benefício exige cadastro regular no Detran Facebook Twitter Covid-19 18h40 de 13 de julho de 2020 Até 132 milhões de pessoas podem passar fome no mundo após pandemia Relatório da entidade considera que pandemia causou problemas como perda de renda e aumento no preço dos alimentos Facebook Twitter / Página Principal Doria quer mulher na vice de Bruno Covas, diz coluna O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disputará a reeleição Últimas Notícias Revisor de soltura de Queiroz negou mesmo pedido a diabética de 66 anos, portadora de HIV Ministro Felix Fischer analisará a decisão do presidente do STJ, que concedeu prisão domiciliar ao ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) Acusado de descaso na proteção dos povos indígenas, Bolsonaro é denunciado à ONU Presidente vetou medidas de proteção às comunidades indígenas em meio à pandemia, como o fornecimento de água potável e garantia de leitos hospitalares Senador Major Olimpio ameaça bater em bolsonarista: ‘Eu vou dar na sua cara’ Ex-aliado do presidente Jair Bolsonaro, Olimpio ameaçou o militante Comandante Valadão, que estava atacando-o nas redes sociais

Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Quase dois meses depois que o oncologista Nelson Teich pediu demissão do cargo de ministro da Saúde, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), voltou a estudar a escolha de um nome para substituí-lo.

Pressionado para apoiar a recomendação de uso da cloroquina – mesmo sem eficácia cientificamente comprovada – no combate à Covid-19, Teich pediu demissão no dia 15 de maio, dois dias antes de completar um mês no comando da pasta.

Em seu lugar ficou o general Eduardo Pazuello, que atualmente comanda interinamente o Ministério da Saúde, mas deve retornar a ser o número dois da pasta.

Segundo informações da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, a ideia do governo é encontrar alguém ligado à área para o cargo de ministro.