Ministério da Saúde não resolveu falha que causou subnotificação de casos, diz Sesab

Em nota, pasta federal afirma que processo de notificação está ocorrendo normalmente e base de dados está preservada.

A Secretaria da Saúde da Bahia informou nesta sexta-feira (19) ter notificado o Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) sobre uma instabilidade no sistema do e-SUS que resultou numa subnotificação dos registros de Covid-19 contabilizados no estado e em ao menos outras seis unidades da federação. Segundo o órgão estadual, ainda não houve solução do problema.

A falha ocorreu na quinta (18), quando a ferramenta da pasta federal contabilizou apenas 650 novos casos da doença em todo o território baiano, dado considerado baixo, uma vez que boletins de dias anteriores mostravam que o número de infectados era quase três vezes maior: eram 1.587 na terça (16) e 1.720, na quarta (17)  —desde o início da pandemia, o total de casos chega a 41.577, com 1.263 mortes.

Ao bahia.ba, a Sesab afirmou, contudo, que, até o fechamento do boletim epidemiológico estadual, pela manhã, o Ministério da Saúde não havia resolvido a intercorrência.

“O fato causou uma queda nas notificações oficiais da doença em diferentes estados, a exemplo do Rio de Janeiro, Pará, Mato Grosso, São Paulo, Rio Grande do Norte, Distrito Federal, conforme observado em matérias veiculadas nacionalmente”, diz nota encaminhada à reportagem.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que o processo de notificação de casos suspeitos do novo coronavírus está ocorrendo normalmente e disse que base de dados está preservada.

“É importante destacar que existem duas formas de exportação de dados do sistema e-SUS Notifica: diretamente do aplicativo ou por meio de uma aplicação (API). Este último utiliza tecnologia mais leve e é indicado para grandes volumes de dados, caso de secretarias estaduais de saúde e de grandes municípios. Ocorre que algumas unidades da federação utilizaram o aplicativo para exportação de dados, o que não é recomendado”, justificou o órgão.