OMS alerta: Suicídio é a 3ª causa de mortes de jovens brasileiros entre 15 e 29 anos

O suicídio não é um fenômeno recente, mas os números têm impactado tão fortemente os órgãos internacionais de saúde que não há dúvidas: estamos diante de um grave problema de saúde pública. No Brasil, cerca de 12 milhões de pessoas tiram a própria vida por ano, quase 6% da população. No mundo são cerca de 322 milhões de suicídios anuais. O Brasil só perde para os EUA.

Não por acaso, desde 2003, o dia 10 de setembro foi escolhido como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. No Brasil, a campanha Setembro Amarelo foi iniciada há 5 anos.

No mundo, as notificações apontam para 1 suicídio a cada 35 segundos. No Brasil, a cada 46 minutos uma pessoa tira a própria vida. Uma realidade devastadora quando se identifica o perfil das vítimas brasileiras: a maioria é homem, negro, com idades entre 10 e 29 anos, segundo dados do Ministério da Saúde avaliados nos últimos quatro anos e divulgados numa pesquisa no ano passado.

Suicídios e transtornos mentais –

Segundo o psiquiatra Rodrigo de Almeida Ramos, os índices apontam que em mais de 90% dos pacientes que se suicidaram havia uma doença mental relacionada. “Na grande maioria dos casos, o diagnóstico associado era de depressão”, ressalta o médico.

Principalmente entre os jovens, cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de drogas. Também são fatores de risco para o suicídio situações como desemprego, sensações de vergonha, desonra, desilusões amorosas, além de antecedentes de doenças mentais.

Mas a notícia mais impactante é: a OMS também afirma que o suicídio tem prevenção em 90% dos casos. O Estado da Bahia está alinhada com a lei10.216/2001 que estimula a permanência do doente mental em casa, recebendo tratamento nos Centros de Atenção Psicossocial, Caps.

Nos últimos dois anos, a SESAB construiu 10 CAPS em 10 municípios baianos, num investimento total de R$ 2milhões de reais. São eles: Salvador, Candeias, São Francisco do Conde, Simões Filho, Camaçari, São Sebastião do Passé, Itaparica, Lauro de Freitas, Dias D´ávila e Madre de Deus.

Moradores do Oeste baiano terão tratamento oncológico na própria região

Tem início nesta segunda-feira (10), a construção da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) no município de Barreiras, que será referência para 36 cidades do oeste baiano, abrangendo cerca de 1 milhão de habitantes. A ordem de serviço foi assinada pelo secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, que estava representando o governador Rui Costa.

De acordo com o secretário, o investimento em obras é superior a R$ 16,7 milhões, com uma intervenção superior a 2,6 mil metros quadrados, e prazo de execução de 12 meses. Outros R$16 milhões serão investidos em equipamentos de ponta, a exemplo de um acelerador linear.

“Este é mais um passo no fortalecimento da saúde pública na Bahia, com a ampliação e descentralização de serviços de alta complexidade. Os pacientes oncológicos da região Oeste terão serviços como quimioterapia, cirurgia oncológica, além de radioterapia”, afirma Vilas-Boas.

Ainda segundo o titular da pasta estadual da Saúde, “a construção da Unacon, que estará localizada ao lado do Hospital do Oeste, evitará que pacientes oncológicos tenham que se deslocar, por exemplo, de Barreiras para Salvador, percorrendo mais de 800 km a fim de realizar o tratamento”, ressalta o secretário.

Os municípios contemplados com o serviço de oncologia são: Angical, Baianópolis, Barra, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Brejolândia, Brotas de Macaúbas, Buritirama, Canápolis, Catolândia, Cocos, Coribe, Correntina, Cotegipe, Cristópolis, Formosa do Rio Preto, Ibotirama, Ipupiara, Jaborandi, Luís Eduardo Magalhães, Mansidão, Morpará, Muquém de São Francisco, Oliveira dos Brejinhos, Paratinga, Riachão das Neves, Santa Maria da Vitória, Santa Rita de Cássia, Santana, São Desidério, São Félix do Coribe, Serra do Ramalho, Serra Dourada, Sítio do Mato, Tabocas do Brejo Velho e Wanderley.

Hospital do Oeste

Esta é a terceira etapa do projeto de ampliação da unidade, que contempla ainda 36 novos leitos, distribuídos da seguinte forma: 20 novos leitos de UTI adulto, três leitos de UTI Neonatal, dez leitos de quimioterapia e três leitos no Centro Obstétrico.

Na primeira fase foram construídos dois blocos de enfermarias com 62 leitos, que foi entregue em fevereiro deste ano. A segunda etapa, que ainda encontra-se em execução, prevê a implantação da hemodinâmica e construção de um novo necrotério.

Moradores do Oeste baiano terão tratamento oncológico na própria região

Tem início nesta segunda-feira (10), a construção da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) no município de Barreiras, que será referência para 36 cidades do oeste baiano, abrangendo cerca de 1 milhão de habitantes. A ordem de serviço será assinada pelo secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, às 9 horas, no auditório do Hospital do Oeste. Na oportunidade, o titular da pasta da Saúde e estará representando o governador Rui Costa.

Os municípios contemplados com o serviço de oncologia são: Angical, Baianópolis, Barra, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Brejolândia, Brotas de Macaúbas, Buritirama, Canápolis, Catolândia, Cocos, Coribe, Correntina, Cotegipe, Cristópolis, Formosa do Rio Preto, Ibotirama, Ipupiara, Jaborandi, Luís Eduardo Magalhães, Mansidão, Morpará, Muquém de São Francisco, Oliveira dos Brejinhos, Paratinga, Riachão das Neves, Santa Maria da Vitória, Santa Rita de Cássia, Santana, São Desidério, São Félix do Coribe, Serra do Ramalho, Serra Dourada, Sítio do Mato, Tabocas do Brejo Velho e Wanderley.

Bahia tem quase 10 mil profissionais da saúde com teste positivo para coronavírus

De acordo com o boletim, o grupo que mais se contaminou, portanto, os que estão mais expostos, foram os técnicos e auxiliares de enfermagem, com 3.186 testes positivos; ; enfermeiros (1.833); médicos (1.001); agentes comunitários de saúde (357); fisioterapeutas (290); farmacêuticos (157); agentes de combate à endemias (152); nutricionistas (143); dentistas (143); assistente social (141); psicólogos (106); fonoaudiólogos (32); biomédicos (29) e bioquímicos (2). A pasta da saúde estadual não divulga o número de óbitos desses profissionais.

Foto: Reprodução/Boletim Sesab

Ainda segundo a Sesab, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.231 casos de Covid-19, o que representa uma taxa de crescimento de +1,4%, 61 óbitos (+2,9%) e 1.130 curados (+1,9%). Dos 88.279 casos confirmados desde o início da pandemia, 59.779 já são considerados curados, 26.332 encontram-se ativos e 2.168 tiveram óbito confirmado.

Dr. Rafael Costa Cruz, ‘um ser humano diferenciado’, não resistiu ao coronavírus

No último domingo (5), o médico cardiologista e pneumologista, Rafael Costa Cruz, de 59 anos, morreu no Hospital Jorge Valente, em Salvador. Dr. Rafael foi diagnosticado com a Covid-19 no final do mês de junho. Ele apresentou os sintomas da doença no dia 29 de junho, quando foi levado para a emergência do Hospital Aliança, onde testou positivo para coronavírus.

Após a confirmação, o médico foi encaminhado ao Hospital Estadual Ernesto Simões, por ser referência no tratamento do novo coronavírus na Bahia. Contudo, o profissional, conhecido pelo trato humanitário com pacientes e colegas de trabalho, preferiu ir para o Hospital Jorge Valente, onde morreu. A ideia dele era deixar a vaga do hospital público para quem mais precisa.

De acordo com a família, o médico passou a semana bem, com suporte de oxigênio. Estava lúcido. Na sexta-feira (3), apresentou quadro de ansiedade e precisou ser entubado, quando o quadro se saúde foi agravado.

Dr. Rafael atuava nos Hospitais Especializado Octávio Mangabeira e Ernesto Simões, em Salvador e no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), em Feira de Santana. Além de ter trabalhado por muitos anos como professor de biologia. Sua morte causou comoção nas redes sociais.

Foto: Reprodução/Acervo Pessoal

Em nota, o Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb) lamentou o falecimento do médico. Natural de Salvador e formado em Medicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, em 1992, o profissional era especialista em clínica médica.

“Batizado pelos colegas como um ‘ser humano diferenciado’, Dr. Rafael atuava no Hospital Geral Ernesto Simões Filho. Homem simples e humilde, Dr. Rafael foi destas trincheiras de empatia e solidariedade. No Hospital, ele foi um ícone, perseguido pelos estudantes e residentes pelos corredores. Na cabeceira do leito do paciente, se mostrava um verdadeiro mestre na arte da aplicação da propedêutica, da ausculta, da percussão, da palpação e do diagnóstico”, declarou o corregedor do Cremeb, conselheiro José Abelardo de Meneses, que também atua na unidade de saúde. Aos familiares e amigos do Dr. Rafael, o Cremeb expressa os seus sinceros sentimentos.

O Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed) também lamentou a perda do “cardiologista competente e dedicado professor na sua especialidade”.

Hospital Regional de Juazeiro passa a contar com Túnel de Desinfecção

O Governo do Estado implantou, nesta sexta-feira (03), um Túnel de Desinfecção do Senai Cimatec no Hospital Regional de Juazeiro. Com este, 32 unidades de Saúde em toda a Bahia passam a contar com o equipamento, para uso exclusivo de profissionais paramentados com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). O Hospital dedica 10 leitos de UTI e 29 clínicos aos cuidados de pacientes com diagnóstico de Coronavírus.

Este é o segundo túnel implantado no município, cuja Unidade de Pronto Atendimento (UPA) já conta com o equipamento. “Estes túneis levam mais segurança para os profissionais que estão atuando na linha de frente, em contato direto com pacientes da Covid-19. Ao passar pelo equipamento, estes profissionais podem se desparamentar dos seus EPIs ao final do plantão e voltar para suas casas com mais tranquilidade”, ressalta o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

Os túneis foram desenvolvidos sob a supervisão do infectologista Roberto Badaró, pesquisador chefe do Instituto de Tecnologia da Saúde do Senai Cimatec. O desinfetante utilizado (hipoclorito) já é amplamente recomendado e utilizado, por décadas, para uso na desinfecção de superfícies de ambientes hospitalares e domiciliares, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e órgãos internacionais de saúde, inclusive com eficácia comprovada para o novo Coronavírus.

Além deste hospital, os equipamentos também foram implantados no Instituto Couto Maia, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Vale dos Barris, UPA de Ipiaú, UPA de Porto Seguro, UPA de Itaberaba, UPA de Juazeiro, hospitais Santo Antônio (Obras Sociais Irmã Dulce), Espanhol, Subúrbio, Ernesto Simões Filho, Martagão Gesteira, Santa Clara e o hospital de campanha da Arena Fonte Nova, em Salvador, além do Costa do Cacau, em Ilhéus, Calixto Midlej Filho e de Base, em Itabuna, São Vicente e Prado Valadares, em Jequié, Riverside, em Lauro de Freitas, das Clínicas de Conquista e Geral de Vitória da Conquista, Geral de Itaparica, da Chapada (Seabra), Dantas Bião (Alagoinhas), Geral Clériston Andrade (Feira de Santana), Regional de Santo Antônio de Jesus, Amec (Camacã), Geral do Oeste (Barreiras), São Pedro (Remanso) e Regional Mário Dourado Sobrinho (Irecê), além  do hospital de campanha de Teixeira de Freitas.

Vereador de Itatim “Amigo Inho” testa positivo para Covid-19

O vereador do município de Itatim e pré-candidato a prefeito, Clevison Nogueira Nunes, mais conhecido como Amigo Inho, testou positivo para Covid-19.

De acordo com informações de familiares nas redes sociais no sábado (04), a confirmação foi feita através de teste PCR dando positivo.

Ainda de acordo com informações de familiares, ele está em observação e em isolamento, mas está bem.

Bahia registra menos de mil novos casos de coronavírus nas últimas 24h

A Bahia registrou, nas últimas 24 horas, 972 novos casos do novo coronavírus, segundo boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado divulgado nesta segunda-feira (29). O número total desde o início da pandemia chega a 69.947.

O número de mortes também aumentou nas últimas 24h: foram 52 vítimas da doença no estado, chegando ao total de 1.800 pessoas mortas por decorrência do vírus. De acordo com a Sesab, 43.946 pessoas já estão recuperadas do novo coronavírus, e 23.721 ainda estão em tratamento.

A secretaria informou que já foram descartados mais de 159 mil casos e pouco mais de 72 mil esperan o resultado dos exames. Na Bahia, 8.264 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19.

Na Bahia, dos 2.284 leitos disponíveis do Sistema Único de Saúde (SUS) exclusivos para coronavírus, 1.385 possuem pacientes internados, o que representa uma taxa de ocupação de 61%. No que se refere aos leitos de UTI adulto e pediátrico, dos 916 leitos exclusivos para o coronavírus, 705 possuem pacientes internados, compreendendo uma taxa de ocupação de 77%.

Segundo a Sesab, os casos foram registrados em 385 municípios do estado, sendo o número com a maior proporção na capital baiana, Salavdor. Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por cem mil habitantes foram Itajuípe (1.800,79), Ipiaú (1.506,33), Gandu (1.484,43), Uruçuca (1.203,76), e Itabuna (1.164,98).

Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior

Um estudo feito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) tornou mais fácil identificar lugares onde, segundo pesquisadores, a chance de ser infectado pelo vírus SARS-Cov-2, responsável pela pandemia da Covid-19, é bem maior.

Os resultados parecem comprovar o que já é protocolo sanitário em todo o Brasil: a residência é o lugar mais seguro para as pessoas nesse momento.

A equipe de virologistas responsáveis pelo levantamento coletou amostras de lugares públicos de alta circulação na cidade de Belo Horizonte.

O método utilizado foi parecido com os testes realizados para detectar a presença do vírus no organismo: o swab – um tipo de cotonete alongado que, quando friccionado contra superfícies, coleta o material em repouso – foi usado em pontos de ônibus, corrimãos, entradas de hospitais e até mesmo bancos de praças. Das 101 amostra colhidas, 17 continham traços do novo coronavírus.

“Para se avaliar o risco de um determinado local, levamos em consideração três elementos: o número de pessoas que podem portar a infecção, o nível de aglomeração esperado nos ambientes e a chance de haver pessoas com a infecção no local”, explicou o infectologista e professor de medicina da UFMG, Matheus Westin.

O médico lembra, ainda, que objetos também podem ter partículas infecciosas inertes. Frutas, verduras, caixas e outros itens que ficam expostos podem carregar o vetor de infecção. O estudo classificou as áreas de risco de acordo com os três pilares sanitários identificados pelos médicos.

Linha de frente
O estudo mostrou também que profissionais que trabalham na linha de frente de combate ao novo coronavírus estão muito mais suscetíveis ao contágio, já que a proximidade com infectados é inevitável.

“Todas as formas de assistência direta envolvem proximidade. Desde os cuidados primários, como administrar medicação ou conversar com o paciente, aos procedimentos invasivos, como ajustar o ventilador mecânico, aspirar as vias aéreas ou entubar o paciente, tudo isso cria um grande risco de transmissão”, argumenta Westin.

Segundo o médico e professor, o investimento em equipamentos de proteção individual (EPIs) de qualidade é crucial, e pode definir se o profissional médico será contaminado ou não ao tratar pacientes.

“Boa parte desse equipamento é de uso único. A troca deve ser periódica. Mas não dá pra esquecer que o profissional de saúde, ao chegar em casa, deve lavar bem com água e sabão as vestimentas hospitalares para remover traços de contaminação das roupas”, informou.

Veja o infográfico: