Em setembro, IBGE estima safra recorde de 9,7 milhões de grãos na Bahia em 2020

O oitavo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), relativo a agosto, projetou a produção baiana de cereais, oleaginosas e leguminosas, em torno de 9,7 milhões de toneladas, para este ano, o que representa uma expansão de 17,2% na comparação com 2019.

Em julho, o levantamento apontava uma safra anual de 9,5 milhões de toneladas. Em relação à área, o IBGE projeta uma ligeira retração de 0,4% tanto na plantada quanto na colhida na comparação anual, registrando, em ambos os casos, uma extensão aproximada de 3,1 milhões de hectares. A produtividade média estimada é de 3,1 ton/ha, cerca de 17,7 % superior à do ano passado. As informações, divulgadas nesta quinta-feira (10), foram sistematizadas e analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento (Seplan).

“Este é um resultado que comprova as políticas acertadas do Governo da Bahia de estímulo à produção agrícola. Importante salientar que, mesmo em meio à pandemia do coronavírus, este é o melhor resultado da série histórica da produção baiana de cereais, oleaginosas e leguminosas”, ressaltou o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

A lavoura de soja, cuja colheita está finalizada, ficou estimada em seis milhões de toneladas, a segunda maior da série histórica do levantamento – inferior apenas à de 2018 (6,2 milhões de toneladas). Com isso, houve expansão de 13,5% em relação ao volume produzido em 2019. A área colhida de 1,6 milhão de hectares superou em 2,6% a safra anterior.

A safra de milho foi revisada para próximo a 2,3 milhões de toneladas, em 614 mil hectares plantados, representando uma alta de 38,9% em relação a 2019. A primeira safra do cereal deve ser responsável por 1,8 milhão de toneladas, em 363,5 mil hectares. Por sua vez, a expectativa para a segunda safra da lavoura foi revisada para 480 mil toneladas plantadas em 230 mil hectares, com expressiva alta interanual de 73,9%.

A expectativa para a produção total de café também foi revisada, passando de 203 mil para 219,5 mil toneladas. Com isso, a safra do tipo arábica ficou projetada em 100 mil toneladas, o que representa uma variação anual de 38,1%, e a da canephora ficou em 119,5 mil toneladas, correspondendo a uma expansão de 10,6% na comparação com 2019. Por sua vez, as lavouras de banana, laranja e uva mantiveram, respectivamente, recuo de 18,3%, 0,7% e 38,8% em relação à safra anterior.

A estimativa para o algodão foi mantida em 1,4 milhão de toneladas, representando uma queda de 3,3% em relação à safra anterior. A área plantada ficou projetada em 315 mil hectares, correspondendo a um recuo de 5,1% na mesma base de comparação.

A previsão para o feijão teve queda de 400 toneladas, totalizando 321,1 mil toneladas, ainda superando a produção de 2019 em 10,2%. A área plantada totaliza 434 mil hectares. A primeira safra de 135,9 mil toneladas teve recuo de 21,4% em relação ao ano anterior. A principal contribuição virá da segunda safra, cujo volume estimado é de 184,2 mil toneladas, alta de 56,6% na comparação anual.

Para a lavoura da cana-de-açúcar, o IBGE projeta uma produção de 5,1 milhões de toneladas, alta de 22,4% em relação à safra anterior. A produção de cacau foi revisada para baixo, mas ainda apresentando alta de 12,4% na comparação com 2019, somando 118 mil toneladas.

As projeções ainda indicam uma produção de 963 mil toneladas de mandioca, mantendo-se estável em relação à safra passada. A produção de cebola deve encerrar o ciclo com alta de 3,9% em relação à colheita anterior, totalizando 302,4 mil toneladas. A estimativa para o tomate, no entanto, ficou estimada em 241,2 mil toneladas, que corresponde a uma retração de 12,5% sobre a safra de 2019.

As vendas no comércio varejista baiano registraram o crescimento de 9,7%

As vendas no comércio varejista baiano registraram em julho de 2020 crescimento de 9,7%, frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, após aumentos de 7,7% e 11,1%, respectivamente em junho e maio de 2020. No cenário nacional, a expansão nos negócios foi de 5,2 %, na mesma base de comparação. Esses dados foram apurados pela Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – realizada em âmbito nacional – divulgados nesta quinta-feira (10), e analisados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento.

“O crescimento das vendas do varejo no mês de julho, em relação a junho, além refletir um impacto menor do quadro de isolamento social, evidencia uma melhora na expectativa em relação ao comportamento da economia nos próximos meses. Vale destacar que esse comportamento representa o terceiro resultado positivo verificado consecutivamente nos últimos três meses, na comparação sazonal”, ressalta o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

Em relação a igual mês do ano anterior, devido à pandemia do coronavírus, as vendas no comércio varejista baiano registraram, em julho de 2020, recuo de 2,7%. No acumulado do ano, a taxa do volume de negócios foi negativa em 10,1%.

O resultado registrado para o varejo baiano em julho releva que o setor foi influenciado pela liberação do auxílio emergencial e relaxamento das medidas de isolamento social, ocorrida nesse mês. Com uma demanda reprimida e retração no mercado de trabalho, muitos consumidores utilizaram o auxílio para iniciar o seu próprio negócio. Embora o cenário ainda seja de consumo limitado, a expectativa provocada pela abertura gradual do comércio influenciou o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas que subiu 7,7 pontos em julho, para 78,8 pontos. 

Guedes insiste para que Banco Central devolva R$ 400 bilhões em lucro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, continua insistindo para que o Banco Central devolva ao Tesouro Nacional cerca de R$ 400 bilhões resultantes de lucros obtidos pela autoridade monetária com operações cambiais e reservas internacionais.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, o BC, presidido por Roberto Campos Netto, contudo, resiste. Desde maio de 2019, com nova lei, o banco deixou de ter a obrigação de repassar o lucro com operações cambiais ao Tesouro.

Para isso, foi criado um fundo no qual essa quantia é depositada. Quando a autarquia tem prejuízo, essa reserva é usada para cobrir a diferença.

Ainda de acordo com a Folha, a transferência tem respaldo legal e só exige a autorização do CMN (Conselho Monetário Nacional), que é formado pelo ministro da Economia, pelo presidente do BC e pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

Mesmo assim, tanto o Tesouro quanto o BC querem fazer uma consulta informal ao TCU (Tribunal de Contas da União) para evitar qualquer tipo de ruído caso a operação venha a se concretizar.

Em junho, a conta tinha R$ 521 bilhões disponíveis. O valor entrará no balanço do primeiro semestre, que deverá ser autorizado pelo CMN na reunião deste mês.

Volume de serviços na Bahia avançou 3,7% em junho

O volume de serviços avançou 3,7% na Bahia em junho, em comparação com o mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (13), através da Pesquisa Mensal de Serviços, realizada pelo IBGE e sistematizada pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento.

“Essa é a segunda variação positiva consecutiva, e a terceira positiva no ano de 2020. O resultado se deve a uma manutenção da recuperação do setor iniciada em maio, devido às medidas de enfrentamento ao coronavírus que o governo do estado da Bahia vem adotando”, ressaltou o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

Os efeitos da pandemia sobre o setor de serviços começaram a ser sentidos nos últimos 10 dias do mês março e se aprofundaram nos dois meses subsequentes. Diante deste cenário, na comparação com junho de 2019, o volume de serviços na Bahia caiu 23,1%, o indicador acumulado no ano retraiu 16,5% e o indicador acumulado em 12 meses decresceu 9,9%.

Já a receita nominal de serviços cresceu 2,1%, na comparação com maio de 2020, com ajuste sazonal. Na comparação com junho de 2019, caiu 24,3%, o indicador acumulado no ano retraiu 15,3% e o indicador acumulado em 12 meses decresceu 7,6%.

Análise regional das atividades turísticas

Em junho de 2020, o índice de atividades turísticas na Bahia apontou variação positiva de 4,7%, frente ao mês imediatamente anterior (série com ajuste sazonal).

Mesmo com a freada da economia exportações baianas crescem 1% em julho

Mesmo com a freada da economia mundial, provocada pela Covid-19, as exportações baianas continuam a apresentar bons resultados. Em julho as vendas externas baianas alcançaram US$ 652,8 milhões, com crescimento de 1% sobre o mesmo mês do ano passado. As informações foram analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria de Planejamento (Seplan).
A resposta rápida da China, que entrou primeiro na crise e começa a sair dela antes dos demais países, a desvalorização cambial e a demanda global por commodities, mesmo com preços em queda – até julho houve desvalorização média de 32,4% nos preços dos produtos exportados, sustentaram os resultados obtidos pelas vendas externas da Bahia. Após cair 8,8% no primeiro semestre, sobre o mesmo período de 2019, as exportações voltaram a acusar crescimento em julho.
“Vale ressaltar que a participação da China na pauta de exportações baianas cresceu de 24,6%, no período de janeiro a julho de 2019, para 28% no mesmo intervalo de 2020. Também cresceram os embarques físicos de produtos da Bahia para a exportação em julho e no acumulado do ano”, destacou o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.
Os embarques físicos de produtos baianos (quantum) cresceram 58,5% em julho e 40,6% nos sete meses de 2020 em relação a igual período do ano anterior, o que, de acordo com a SEI, corrobora com a tese da resiliência do setor à crise pandêmica, principalmente de produtos básicos como soja, celulose, minerais, petróleo e algodão. Só para a China, em julho, eles aumentaram 102% ou o equivalente a 588,5 mil toneladas, resultando em receitas que somaram US$ 214 milhões, 47% superiores ao mesmo mês de 2019. No ano, até julho, as exportações baianas atingiram US$ 4,31 bilhões, o que representa uma queda de 5% em relação ao mesmo período de 2019.

IMPORTAÇÕES

A queda das importações baianas se aprofundou em julho, com recuo de 66%, em relação a igual mês do ano passado. Com o desempenho, a queda acumulada, ampliou-se para 37,3% até julho. Além da queda acentuada da demanda interna, a forte desvalorização do real também atuou para conter os desembarques no período. As projeções apontam para a ampliação do superávit comercial do estado que até julho atingiu US$ 1,68 bilhão, 376,4% superior a igual período de 2019.

Minério baiano tipo exportação começa a ser escoado pelo terminal portuário da Enseada

Na manhã de hoje, o navio Star Athena, de bandeira Norueguesa, atracou no Terminal de Uso Privativo (TUP) da Enseada para receber o carregamento de 44 mil toneladas de minério de ferro baiano. A operação de carregamento está prevista para ocorrer até o próximo dia 5 e marca o início das operações portuárias no TUP da Enseada.

Para o diretor Industrial da Enseada, Mário Moura, a operação certificará o complexo industrial, portuário e naval baiano como um importante player nacional para operações logísticas seguras e eficientes. “Estamos oferecendo a Bahia mais uma alternativa para escoamento de suas riquezas um TUP com posição privilegiada, águas abrigadas e calado profundo”, revelou Moura.

O navio Star Athena é um transportador de granéis construído em 2012 e com capacidade de carga de 57809 toneladas. Possui calado de 6,5 metros, comprimento total de 189,99 metros e largura de 32,26 metros. Após o carregamento, a embarcação segue com as 44 mil toneladas de minério baiano para a China.

“Esta retomada das operações do Estaleiro Enseada é muito importante para a economia baiana, gerando impacto positivo na nossa balança comercial. Tivemos reunião hoje com o presidente do Estaleiro, Maurício Almeida, e estamos discutindo, inclusive, a utilização do equipamento como terminal de granéis líquidos, para a fabricação de torres eólicas e navios, desmonte de grandes navios e manutenção de plataformas e embarcações, além de seu uso como porto para o escoamento de grãos. Tínhamos uma reunião com o Porto de Barcelona, que estava agendada para 18 de março, além da recepção uma missão de empresários espanhóis para prospectar novas oportunidades de negócios para o Estaleiro. Veio a pandemia e tivemos que adiar esta agenda que vamos retomar com todo vapor, assim como a negociação com outros parceiros do exterior”, destacou o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

Para o vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, o reaquecimento de atividades da Enseada é estratégico para o setor naval, portuário e para a mineração baiana. “A Bahia é líder nacional na produção de 11 bens minerais, temos a perspectiva de crescimento do segmento mineiro com a Ferrovia de Integração Oeste-Leste, de um lado, e, agora, com o estaleiro, do outro lado. Este é o maior estaleiro do país, que já foi celeiro de oportunidades e gerou mais de 7 mil empregos. Estamos prospectando novas províncias minerais, por meio da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), e esse conjunto de ações vai contribuir significativamente com a retomada do desenvolvimento em nosso Estado”, afirmou.

“A Enseada será uma ferramenta importante para a geração de emprego e renda para a Bahia durante processo de retomada das atividades econômicas no período pós-pandemia. A construção da ponte sobre o Rio Baetantã, em Maragogipe, pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Infraestrutura, facilita o transporte das cargas que seguem em direção ao terminal. Agora, o deslocamento dos produtos que embarcarão do estaleiro será facilitado”, destaca o secretário de Infraestrutura da Bahia, Marcus Cavalcanti.

Sobre a Enseada

A empresa oferece soluções integradas de engenharia para projetos navais, logísticos-portuários e industriais, aliando inovação, qualidade, produtividade e uma abrangente política de sustentabilidade que a diferencia. Além disso, possui uma sólida política de governança.

Acordo sobre perdas com planos econômicos das décadas de 1980 e 1990 tem 118 mil adesões

O acordo para compensar perdas com planos econômicos das décadas de 1980 e 1990 foi fechado por 118 mil pessoas até março deste ano.

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um dos órgãos que monitoram o acordo, R$ 1,6 bilhão foram pagos aos titulares de cadernetas de poupança na época, valor que envolveu 98 mil processos.

Em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) homologou um acordo entre entidades que atuam em defesa do consumidor e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), na tentativa de encerrar a disputa judicial pelo ressarcimento, que tramita desde a década de 80.

As ações envolvem as perdas inflacionárias com os planos econômicos Bresser (1987), Verão (1989), Collor 1 (1990) e Collor 2 (1991).

Segundo o CNJ, dos 118 mil poupadores, 46 mil têm conta na Caixa, 25 mil, no Itaú, 24 mil, no Bradesco, 11 mil, no Santander, e 11 mil, no Banco do Brasil.

Os poupadores que estiverem interessados podem buscar mais informações no site criado para tirar dúvidas e solicitar o acordo, que pode ser assinado até 2025. Na página é possível fazer simulações, verificar quem pode aderir e obter detalhes sobre a tramitação dos pedidos nos bancos. A orientação é para que o advogado do poupador seja consultado sobre as condições da adesão.

Alimentação pressiona e prévia da inflação volta a subir na RMS

A prévia da inflação (IPCA-15) voltou a subir na Região Metropolitana de Salvador. Dado ficou em 0,05%, acima do registrado em maio (-0,54%) e em junho do ano passado (0,03%). Percentual é maior também qu a inflação nacional, 0,02%.

O IPCA-15 reflete os preços coletados entre 15 de maio e 15 de junho. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação prévia na RMS foi puxada pelo aumento nos preços de sete dos nove grupos de produtos e serviços que formam o índice, com destaque para três categorias.

Alimentação e bebidas foi a principal pressão inflacionária no mês, com aumento de 0,76%. Esse dado diz respeito à alimentação no próprio domicílio (0,90%) e a comer fora, até mesmo via delivery (0,38%).

O item comunicação teve a maior alta no IPCA-15 de junho na Região Metropolitana de Salvador (1,06%), e foi a segunda maior pressão de alta no índice. Isso diz respeito a aparelhos telefônicos (2,90%) e aos combos de telefonia, internet e TV por assinatura (2,33%).

O terceiro item que mais influenciou no resultado prévio da inflação é artigo de residência (1,01%), puxados por televisores (5,21%) e refrigeradores (6,09%).

Por outro lado, transportes e despesas pessoas registraram deflação de -1,06% e -0,25%, respectivamente.

No primeiro semestre de 2020, o IPCA-15 da RMS tem variação acumulada de -0,40%, acima do índice do Brasil como um todo – que está em -0,58%. Por outro lado, o índice tem desacelerado em relação ao acumulado até maio (0,62%).

Nos 12 meses encerrados em junho, o IPCA-15 ficou em 1,79%. O resultado interrompe a trajetória de desaceleração em relação ao mês anterior, cujo acumulado foi 1,77% em 12 meses. No entanto, é um pouco menor que o nacional, que esteve em 1,96%.